Docentes da UniRV participam de evento sobre a ocorrência de derivas em aplicações agrícolas

Publicado em: 24-11-2017


Os professores da Faculdade de Agronomia da Universidade de Rio Verde - UniRV, Dra. Indiamara Marasca e Dr. Guilherme Braga Pereira Braz participaram, na manhã desta quinta-feira, 23, na Comigo, do evento “Avaliação prática de deriva em pulverizações Agrícolas”.

À ocasião, os docentes apresentaram os resultados de um estudo, desenvolvido em parceria com outras instituições, sobre o potencial de ocorrência de deriva em aplicações costais, terrestres e aéreas. Foi elaborado um boletim técnico apresentando a metodologia empregada e os resultados obtidos no estudo conduzido.

Resumo enviado pelo professor:

Para a obtenção de boas produtividades na exploração agrícola, é necessária a correta utilização de produtos fitossanitários, que são ferramentas para o controle dos diferentes fatores bióticos (pragas, insetos, doenças e plantas daninhas) que interferem no desenvolvimento das culturas. Neste sentido, é importante evitar a contaminação ambiental por meio da deriva proveniente das aplicações destes produtos fitossanitários. A deriva é o deslocamento horizontal que as gotas sofrem quando não atingem o alvo desejado.

No estudo desenvolvido, foi avaliado o potencial de deriva ocorrente a partir de aplicações costais, terrestres e aéreas. A deriva foi avaliada fora da área aplicada, na direção do vento predominante, por meio de coletores horizontais e verticais distribuídos até 200 metros em relação à área aplicada. Foram feitas duas aplicações, uma em condições normais e a segunda em condições desfavoráveis. Os dados do índice de deriva foram calculados por meio de scanner de papéis hidro sensíveis. Nas condições em que o presente experimento foi desenvolvido, pode se fazer as seguintes considerações: O clima registrado no momento da aplicação apresenta total influência na qualidade desta, sendo observado aumento do processo de deriva à medida que a pulverização é realizada em condições climáticas adversas. Independentemente da modalidade (costal, terrestre ou aérea), a realização da aplicação de maneira adequada, respeitando as recomendações técnicas e procedendo ao processo de pulverização sob condições climáticas indicadas, poderá assegurar que haja eficiência no controle do alvo a ser manejado, sem que haja riscos ao meio ambiente.
 
 
Fotos: Faculdade de Agronomia